Tudo sobre o Surf

Manual do Surf – parte 4

Take Off (entrada)

Quando já estiver na onda, olhe a parte baixa da onda, onde vai iniciar a curva.

Botton Turn

Depois da sua entrada, você viu onde queria iniciar a curva. Prepare-se para virar na base da onda.
Para iniciar a sua curva, mantenha reto a parte superior de seu corpo, balançando os ombros no mesmo sentido para onde a onda se quebra.
Ao realizar este movimento, apoie-se sobre o seu pé trazeiro. A medida que seu corpo se inclina, a prancha se apoiará sobre a borda interna e a curva se iniciará.

Ao sair da curva acerte o apoio entre o pé trazeiro e o dianteiro e aproveite a projeção do seu “botton turn” para passar o crítico da onda.

Atenção

Não de golpes secos. Suavise seus movimentos à medida que virar.
Ao virar, fixe o olhar na crista da onda, é ali que você vai aplicar o roller ( batida ).
Quando você chegar embaixo da crista da onda, apoiando-se sobre o seu pé trazeiro incline seu corpo em direção à ela. Este movimento deve anteceder a sua curva.

Começando então a sua batida, a prancha gira sobre a parte trazeira: a medida em que esta se volta em direção a base, relaxe seu apoio trazeiro e mude ligeiramente seu peso para frente.
No final da sua batida, ficará como em posição de take off ( entrada ).

Roller off the lip ( Batida no lip )

Batida no lip não é uma batida na crista da onda, mas sim sobre o lip. O movimento é o mesmo, mas o impacto da onda torna a manobra mais difícil.

Para manter-se bem na descida, distribua o peso sobre seus pés.
Na saída do seu “botton turn” veja como a onda se quebra. A face da onda não está suficientemente vertical para dar uma batida então decide fazer uma grande curva sobre a parte plana da onda, graças a sua projeção do seu “botton turn” inicie a curva ficando a pouca distância da espuma da onda.

Incline-se e apoie-se pouco a pouco sobre o pé trazeiro. Este apoio deve ser bem dosado e contínue para que a prancha se ponha sobre sua borda interior sem derrapar.

Durante seu “cut back” mantenha a cabeça e olhar orientados para a espuma de onde vem, e a medida que girar seu corpo vai para o interior da onda.

Com a sua prancha outra vez plana no final da manobra, divida seu peso sobre seus dois pés. Ao sair do “cut back” faça outra curva um pouco mais rápida para pegar novamente a direção da onda.

Foater

Se a onda vai quebrar à sua frente o floater consiste em passar por cima da espuma, para para que consiga pegar novamente a onda em pé.
O êxito de seu floater consiste essencialmente na velocidade que tenha conseguido antes de executar a manobra.

Snap Back

As vezes é útil brecar, para para ficar novamente no crítico da onda.
O snap back é um pouco como o “cut back”, porém um pouco mais rápido e mais seco.

A prancha gira sobre ela mesma, ao mesmo tempo que o seu corpo, exercendo a pressão máxima a prancha derrapa.
Depois coloque a prancha para a direção em que começou a manobra.
Manobra rainha do surf, o tubo precisa de uma onda oca. A diferença entre as outras manobras, é que o tubo não é tanto uma questão de movimento, mas de posicionamento na onda.

Depois do “botton torn” ( se você estiver em uma praia com ondas ocas ) quando a onda começar a quebrar e você não pretender dar uma batida,projetando a sua curva, coloque-se de lado,
no sentido para onde quebrar a onda, mais ou menos na metade da parede da onda.

Ficando assim, adiante-se um pouco sobre a prancha para ir mais rápido. Os pés devem estar ligeiramente para a borda interior, para que esta se agarre na parede da onda.
Quando perceber que a onda vai se quebrar, abaixe-se e deixe o lip te envolver, dependendo do seu posicionamento e da maneira como a onda quebrar, você conseguirá executar a manobra e sair do tubo

Importante

Dentro do tubo ter uma boa trajetória na onda, não muito alta para ser aspirado por ela e não muito baixo para não receber o impacto da mesma.

Inevitável, ainda que seja um “pro” ou um princiante é inútil lutar em baixo d’água, gasta oxigênio para nada, somente depois que a onda tenha passado, e seu corpo estabilizado, poderá dar algumas braçadas para subir mais rápido.

Em geral, não estará mais de dez segundos em baixo d’água porém isto pode parecer uma eternidade, já que isto não tem nada a ver com o banho de banheira da sua casa.,p > Longboard

Até o final dos anos 60 as pranchas de surf variavam entre 2.80 cm e 3 m, e pesava as vezes mais de 10 Kgs.
Para obter mais manobralidade, surfistas e shapers fizeram a evoluir as pranchas nos anos 70, acertando medidas, até chegar às triquilhas nos anos 90.

Apesar desta evolução que permitiu mais manobralidade, não era o gosto de todos. Alguns surfistas tem permanecido fiéis aos longboards dos anos 60 e seu estilo de vida. Desde meados dos anos 80, o long voltou com força total.

Permitem por suas dimenções um acesso mais fácil a prática do surf, tanto para os que iniciam como para os com idade mais avançada ou condições físicas limitadas ou ainda para os que mantem o “feeling”.
Ainda que o movimento da manobra seja o mesmo, o longboard é uma prática diferente de surfVocê pode girar sobre a prancha, andar para a frente e dar nose rider, voltar para a rabeta e fazer um cut back, e dobrando a perna trazeira, um knee turn… A qualidade principal do longboard é oferecer uma sensação inigualável de deslizamento. Com um long você terá remada, por consequência irá pegar mais onda. Mas procura deixar algumas para os outros!!!

7 comentários

  1. larissa

    Eu adorei esta site ,eu sou surfista eu amo surf e eu curto varios esportees ex : moto,surf,futbool,skate etc …

  2. Fabiana Campos

    Amei o site, me ajudou muito Obrigado, consegui fazer o meu trabalho e ainda aprendi muito, queria agradecer por ter me ajudado, agradeço a todos.
    Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *