Monte sua câmera fotográfica

CÓPIA DIGITALIZADA

Uma nova alternativa para os processos de cópias, sem a necessidade de se fazer o contato em ampliador ou lâmpada, é o recurso da digitalização da imagem primária (o negativo). Esta talvez seja a forma mais indicada nos dias atuais, porque promove um novo conceito de produção e réplicas de imagens, além, é claro, de reduzir pela metade as nossas atividades dentro do “laboratório”. Seria a tecnologia na contra-mão ou uma maneira da técnica pinhole acompanhar os novos tempos? Com certeza, essa nova possibilidade só vem a somar. O recurso de digitalização nos permite uma série de vantagens como cópias ampliadas (mesmo para negativos em papel), tratamento e retoques na imagem, além de nos gerar uma matriz digital que poderá ser sempre utilizada ao invés do negativo original. Para conseguirmos tal feito é preciso ter um computador com programas de imagens tipo Adobe Photoshop, Corel Photopaint ou similares. É necessário um digitalizador de imagens (scaner) que pode ser desde um modelo mais simples, só para papel, ou os mais sofisticados para digitalização de filmes e transparências. O recurso digital começa da etapa em que já possuímos uma imagem matriz, o negativo pinhole. A partir de um desses programas de imagem devemos, através do scaner, digitalizar o negativo. Obtendo a seguir a imagem gerada na tela do computador, devemos inverte-la, de forma que assim ela passe do negativo para o positivo. Imagens digitalizadas devem ser salvas em formato de arquivo tipo jpge ou tif, com resolução de saída de pelo menos 300 dpi para não perder qualidade na hora da impressão. O resultado final, que é a cópia, pode ser em uma impressora caseira ou até mesmo enviando o arquivo/imagem digitalizada para um laboratório fotográfico, obtendo assim uma cópia com um melhor acabamento e em papel fotográfico. Esta é uma prática que vem se tornando mais comum, devido a sua comodidade e rapidez. Ao optarmos pelo processo digital, estamos reduzindo pela metade nosso contato com reagentes químicos, o consumo e o desperdício de água, preservando mais a nossa saúde e o meio ambiente.

A técnica da fotografia pinhole é de uma certa maneira empírica.
Depende de experiências e tentativas, observando e anotando sempre os erros e acertos. Mais que teorias, para se fazer boas fotos é preciso vontade e prática!

8 comentários

  1. joelma

    Há muito tempo queria fazer esse curso.Mas não tinha oportunidade,agora vou agarrar essa oportunidade.obrigada pela chance.

  2. Magda

    Há tempos procurava informações sobre cursos gratuitos de fotografia, mas para a minha surpresa, encontrei algo muito além da minha expectativa: A montagem de uma câmera pinhole, não só vou fazê-la mas também colocar em prática esta técnica de se fotografar. Parabéns.

  3. Luanny Kethry

    Adorei a matéria… muito interessante… eu não fazia a menor idéia que isso existia!!!rsrsr.
    Parabéns para quem deixou esse texto aqui pra gente tentar fazer a camera de Pinhole e tentar aprender mais sobre essa arte que é fotografar……………..
    Abraço…….
    Qualquer coisa entrem em contato: [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *