Limpe seu nome em orgãos de restrição

Resumindo:
Você entregará as quatro cópias e ele colocará nelas as datas da audiência. E duas delas ele te devolverá.
São 4 cópias idênticas e serão distribuídas da seguinte forma:
Uma é para o juiz que julgará a Obrigação de Fazer. (fica c/ o TJ)
Uma para a parte requerida. (A empresa que você deve). (fica c/ o TJ)
Uma para o Serasa. (fica com você)
Uma para você. (fica com você)
As duas cópias que ficaram com você serão levadas para o Serasa de sua região por suas próprias mãos. Leve as duas cópias do documento que você levará ao Serasa a um advogado antes de entregar ao Serasa para que ele apenas assine e seu documento tenha poder de LIMINAR. Caso você for dar entrada para outras pessoas, não se esqueça de fazer uma Procuração Simples desta pessoa para que possa dar entrada no Serasa.
No Serasa é mais simples. É só chegar com as duas cópias da Obrigação de Fazer assinadas por qualquer advogado e dizer que quer dar entrada em um “Requerimento”.
O Serasa autenticará as duas cópias e uma delas ficará com você. Anote nesta via que ficou com você a data, horário e local da audiência no TJ de sua região e o nome da pessoa que está te atendendo.
Agora que você deu a entrada no TJ, no Serasa é só aguardar que em 10 dias úteis o seu nome sairá do Serasa, Spc e outros possíveis órgãos de sua região que estão especificados da Obrigação de Fazer. Nesta Obrigação de Fazer que te enviei (o outro arquivo do Word), estão incluídos os nomes do Serasa e Spc. Se na sua cidade existe CDL ao invés de SPC ou existem os dois, acrescente-os.
Caso não saia automaticamente o seu nome do Spc, Serasa e outros órgãos em 10 dias úteis, você terá que telefonar para o Serasa, naqueles 0800…

De posse do documento, você dirá qual é o CPF da pessoa e outros dados que estarão no Requerimento e perguntará qual é o motivo por qual o seu nome ainda não saiu do sistema do Serasa. Mas, durante os cinco anos que trabalho nesta área, nunca foi preciso ligar para o Serasa. Lembre-se que são 10 dias úteis.

Agora você deve estar se perguntando, e quanto à audiência? Se o juiz julgar a meu favor, ou a favor de quem eu devo?
Esta parte é a mais interessante de quem faz este tipo de serviço. Pois você tem duas opções distintas.
Na primeira, você vai ao TJ, comparece a audiência e corre o risco de o juiz não ir com a sua cara, de a pessoa que você deve estar representada por um bom advogado, de você gaguejar e o juiz pensar que você está mentindo. Essas coisinhas bobas. Quer alguns conselhos, umas dicas? Aí vão as dicas para se sair bem em uma audiência:

    • Só fale quando o juiz te perguntar algo.
    • O juiz, ou o representante do juiz que vai acompanhar a conciliação, não quer ver desordem em sua sala. Fale um de cada vez. Se a dívida for alta, será exigido um caráter mais formal. Fale com o juiz e evite falar com a outra parte. O juiz estará intermediando. Nunca se exalte.
    • Reconheça logo no início que você tem a dívida e quer pagá-la. Mas esta pode não ser a sua intenção, é apenas o que você irá falar para o juiz.
  • Diga que você não quer pagar à vista, ou com os juros exorbitantes cobrados pela outra parte.
  • Seja firme e explore a fraqueza da outra parte caso esta não seja representada por um advogado (que é o que acontece na maioria das vezes, pois não existe só a sua audiência e com certeza existe uma dívida maior que a sua para a empresa se preocupar e acionar um advogado).
  • Tire a paciência da outra parte. Por exemplo: Você deve R$1.000,00 a uma empresa telefônica. A maioria delas, não divide sua dívida em mais de 3 vezes. Diga ao juiz que você quer pagar em 10 vezes fixas de 100,00 e a entrada você só dará em 30 dias. Aceite juros somente se for pequeno e sobre o que você realmente deve.
  • Faça perguntas ao juiz: O que acontece se a outra parte não aceitar a minha forma de pagamento? Quero pagar e ela não quer receber! Já estou apertando bastante meu orçamento!
  • Não facilite. As conciliações normalmente têm duração de 30 minutos. Caso, utilize estes 30 minutos e não entrem em um acordo, o juiz vai querer marcar outra data para conciliação. Deixe claro que você fez o possível para negociar e a outra parte não teve autonomia nenhuma para conduzir uma conciliação entre as partes.
  • A dica mais importante de todas: Só vá a uma audiência se sua intenção for de entrar em um acordo de pagar somente o que deve. Caso este não seja o seu interesse, vou explicar agora o que deve fazer.

Segunda opção: Não vá à audiência.
O que acontecerá se você não for à audiência? Vou te explicar o que irá acontecer:
Você fez algo errado em dar entrada em uma Obrigação de Fazer e não comparecer na audiência de conciliação. Você será obrigado a pagar uma taxa de custa para o TJ de sua região, que será cobrada através dos Correios. Esta taxa, que são as custas do juiz que foi a conciliação e não houve conciliação, varia de R$20,00 a R$30,00. Pague-a e nunca mais terá amolação de ninguém, pois o TJ arquivará toda a documentação.

Cabe lembrar que você terá o seu nome limpo nos órgãos de restrições. Se você deve a Credicard um valor de R$2.000,00 sempre constará nos arquivos da empresa que você deve esta quantia. Não volte mais a esta instituição e procure outras formas de adquirir crédito.
No Serasa o seu nome estará limpo e você poderá fazer empréstimos, compras a prazo e tudo o mais.
Em caso de dúvidas, escreva para [email protected]

66 comentários

  1. maria do socorro silva barata

    Essa restrição impede que eu consiga um emprego ,pretendo quitar todas as minhas dividas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *