Aula: Introdução ao Estudo da Arte

Introdução ao estudo da arte

O que é arte?
A palavra “arte” pode ter outros significados, no sentido de “habilidade” ou “técnica”. Mas o que vamos estudar é a arte como as obras humanas com valores estéticos, que buscam traduzir emoções, sentimentos e história. A arte pode ser percebida de três maneiras: visual, auditiva ou mista (audiovisual).

A arte reflete aspectos da sociedade em que está inserida e também pode interagir com ela, ao instigar seus membros à compreensão da realidade de uma forma diferente. É importante estudar arte porque ela, além de registrar fatos históricos sob a ótica particular do artista, pode nos apresentar uma nova e diferente maneira de analisar a sociedade em determinado período.

O estudo da arte revela as subjetividades presentes em uma época e as particularidades nas relações entre o homem e o mundo. Ao refletir sobre os objetos artísticos de diferentes tempos e sociedades é possível ter uma compreensão maior e mais significativa da história da humanidade.

Há diversas formas de manifestação da arte. Em 1923 foi divulgada a lista proposta pelo intelectual italiano Ricciotto Canutto, que numerava as artes em sete:

  1. Arquitetura: a arte de construir.
  2. Escultura: a arte de representar seres e objetos em materiais como barro, madeira, entre outros.
  3. Pintura: arte de aplicar cores sobre uma superfície para fazer imagens reais, imaginárias ou abstratas.
  4. Música: a arte de combinar sons, silêncio e mensagens.
  5. Dança: a arte de movimentar o corpo, geralmente acompanhando sons.
  6. Poesia: a arte de usar as palavras com fins estéticos.
  7. Cinema: a arte de reproduzir imagens em movimento.

O teatro não foi incluído na lista por ser considerado a união de outros tipos de arte. Mas posteriormente surgiram novas formas de considerar as manifestações da arte e pode-se incluir, além do teatro, áreas como o desenho e a literatura. Hoje considera-se arte também a fotografia, as histórias em quadrinhos, os videogames e obras de computação gráfica.

Para entender a diferença:

  • Artes plásticas: trabalho com fim artístico ou estético. Exemplos: arquitetura, escultura, pintura.
  • Artes cênicas: precisa de uma pessoa representando. Exemplos: teatro, dança, cinema.

Funções da arte
Dentre as muitas funções da arte, podemos resumir algumas:

  • Interpretar e/ou questionar a realidade;
  • Provocar reações como a reflexão e a emoção;
  • Expressar pensamentos, sentimentos e opiniões;
  • Explicar e/ou refletir fatos históricos;
  • Representar ideias, pessoas, crenças, entre outros;
  • Atuar como mecanismo para a fuga da realidade (tanto do autor quanto do receptor);
  • Causar prazer estético pelo entretenimento.

A maioria das funções da arte dependem do receptor, ou seja, do observador da obra. A comunicação da mensagem só pode ser completa depois de passar pelo receptor. O artista (autor) tem uma mensagem (pensamento, ideia) e usa um meio ou forma (pintura, dança) na tentativa de traduzir essa mensagem, que pode também ser um sentimento.

É o observador quem vai dar sentido para a obra, com sua abordagem pessoal e única. Por isso o mesmo produto da arte pode ser interpretado de diversas formas, porque os observadores são diferentes e a mesma obra pode ter diferentes significados, dependendo de quem a observa.
Pode-se aprender a analisar sob aspectos formais e técnicos a obra de arte, mas para o aspecto subjetivo não há padronização.
Mesmo que o artista pretenda apenas “fazer arte”, sem ter um fim específico, há sempre aspectos subentendidos. Ao criar uma obra que não pretende significar nada, ainda assim ela será impregnada por conceitos como belo e feio, por exemplo, no momento em que for observada.

Introdução à história da arte
Só por estar tão intimamente ligada à história da humanidade a história da arte já merece atenção. O conjunto denominado “obras de arte” deve ser encarado não apenas como objeto, mas sim como um reflexo do comportamento de uma época. Para isso é preciso entender as principais motivações dos homens ao produzir arte: religiosa (crenças ou cultos), militar (guerras e competições) e a representação da realidade (natureza e homem).

A história da arte pode ser dividida em seis grandes grupos, organizados por épocas históricas. Dentro destes grupos há subdivisões e entre alguns deles há movimentos artísticos expressivos:

  • Arte na pré-história
  • Arte na antiguidade
  • Arte na Idade Média ou Idade das Trevas
  • Arte no Renascimento
  • Arte na Idade Moderna
  • Arte Contemporânea ou Pós-moderna.

A arte de algumas civilizações isoladas, como os maias por exemplo, não está contida nos seis grupos, por apresentar características próprias. A arte de outros países culturas também não se encaixa nos seis grupos por ter aspectos e desenvolvimento singular. Exemplos são a arte islâmica e a arte chinesa.

Mesmo que a história da arte de um país esteja representada nos seis grupos, cada cultura tem características que a distingue um pouco das demais. Ou seja, cada uma das fases da arte é refletida de forma diferente dependendo da cultura.

Um comentário

  1. francisco carlos de souza

    ótima idéia a divulgação deste curso.nossos jovens merecem aproximarem-se das artes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *