Curso Introdução ao Design de Ambientes

O que é design de ambientes?
Design de ambientes é uma especialização do design voltada para projetar, desenvolver ou modificar espaços internos ou externos. Os espaços podem ser privados (residenciais ou comerciais) ou públicos (parques, por exemplo). Design de ambientes abrange design de interiores e exteriores, de iluminação e de sinalização.

Diferença entre as profissões

  • Decorador: trabalha o ambiente superficialmente, não pode alterar sua parte estrutural. O decorador pode ser autodidata ou ter feito cursos de curta duração. Atua na escolha de cores, objetos decorativos e móveis que não envolvam planejamento.
  • Designer de interiores: profissional com diploma universitário ou técnico (cursos de pelo menos dois anos). Além da decoração, é capacitado para fazer pequenas modificações em paredes, mas que não envolvam a estrutura da obra. Habilitado para projetar móveis e adornos.
  • Designer de ambientes: é uma nomenclatura mais abrangente, que envolve design de interiores e exteriores. É um profissional capaz de projetar jardins, parques e fachadas, por exemplo. Geralmente os cursos de design de interiores capacitam também para exteriores.
  • Arquiteto: tem os conhecimentos necessários para realizar alterações na estrutura da obra. Nem sempre o designer de ambientes precisa da ajuda de um arquiteto, apenas se paredes e vigas precisam ser derrubadas ou se pretende-se fazer portas ou janelas.

Atividades do designer de ambientes
Conhecer o cliente:
é muito importante saber quais são os objetivos do cliente para o espaço a ser trabalhado pelo designer. Se ele já souber o que quer, melhor. Se ele não souber, o designer o ajuda a descobrir as melhores opções.

Estudar o espaço: o designer deve pensar o espaço considerando sua funcionalidade e de acordo com as necessidades do cliente. Com base no estudo do ambiente é possível projetar racionalmente.

Desenvolver projeto: preparar um esboço e conversar com o cliente sobre as opções para o espaço. O projeto deve ser aberto às alterações propostas pelo cliente.

Trabalhar em equipe: muitas vezes o trabalho do designer de ambientes exige o conhecimento de outros profissionais como arquitetos, pintores e marceneiros, por exemplo. É importante saber quando eles são necessários.

Outras atividades:
Desenhar mobiliários:
quando os espaços exigem móveis planejados, o designer atua em parceria com marceneiros para encontrar a melhor solução para os problemas que
o ambiente apresenta.


Definir pisos, paredes e tetos:
com base nos desejos do cliente, o designer escolhe revestimentos e adornos para o chão (cerâmica, madeira e tapetes), paredes (papel de parede, quadros) e tetos (forro de gesso, isopor e lustres).

Definir orçamento: antes de pensar em começar o projeto, o designer deve esclarecer com o cliente o quanto ele pretende investir na obra. A partir disso é possível desenvolver o projeto.
Supervisionar a obra: é importante acompanhar o trabalho da equipe para manter o cronograma da obra. A supervisão constante permite também a realização de alterações antes do término da obra.

Conceitos importantes para o designer de interiores

  • Desenho: é interessante que o designer de ambientes tenha noções de desenho técnico arquitetônico no caso de precisar modificar a planta do espaço. A tarefa de desenhar móveis, luminárias e adereços pode ter auxílio de programas de computador.
  • Ergonomia: é adaptar os ambientes e utensílios de trabalho às necessidades dos clientes, projetar espaços e móveis com utilidade e conforto maximizados de acordo com às suas demandas. É usada também na adaptação de ambientes de trabalho.
  • Iluminação:o uso correto das técnicas de iluminação em ambientes internos e externos é capaz de trazer conforto visual. Além disso, a iluminação correta, aliada à cor e à textura dos objetos iluminados, provoca resultados subjetivos.
  • Psicologia: os espaços ocupados são entendidos como uma extensão das pessoas que neles vivem. Os ambientes são carregados de significados que devem ser analisados ao desenvolver um projeto.
  • Semiótica: aplicada ao design, é a ciência que, em resumo, estuda a relação simbólica entre o objeto e o usuário. Usa as cores, texturas, formatos, entre outros, para transmitir mensagens e criar sensações.
  • Marketing: em ambientes comerciais, os espaços são uma extensão da imagem da marca e tem papel importante ao traduzir valores aos clientes do estabelecimento comercial.

Um comentário

  1. Muito bom assim adesivos de parede

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *