Curso de Hipnose

LIÇÃO XV

O valor do hipnotismo paro o médico. -Na prática de todos os médicos se apresentam cada dia ocasiões para fazer uso do hipnotismo; hoje em dia servem-se dele com freqüência. É um fato bem conhecido que existem, na experiência de todos os médicos, certos casos de dor e insônia, provenientes de excitação cerebral, sobre os quais as drogas não exercem efeito algum.
Por infelicidade, em tais casos empregam-se as mais das vezes, injeções de morfina, e o perigo, desde o inicio, é que se contraia quase sempre o hábito. O verdadeiro método que o médico deve empregar em todos esses casos é a sugestão hipnótica, exceto se houver delírio. Não é necessário pronunciar a palavra hipnotismo, porque esta palavra, soando mal por si mesma ao ouvido do doente, tem, muitas vezes, por efeito excitar ainda mais os seus nervos.

Como o doutor pode empregar a sugestão. -É somente necessário que o doutor se assente ao lado do doente, tome-o pela mão e lhe diga com
brandura e convicção: “É preferível, neste momento, que não vos dê droga alguma. Há um meio pelo qual posso deter essa dor de que padeceis e proporcionar-vos um sono profundo e reconfortante. Nada há que receiardes nem deve ficar inquieto. Peço-vos somente que façais o que eu vos disser; fixai os olhos sobre os meus e deles não os arredeis a pretexto algum. Vou tirar-vos a dor em pouco tempo, enquanto vos entorpecereis e pegareis no sono suavemente”. Em seguida, deveis sugerir ao paciente que aumente o seu torpôr como já vo-lo expliquei claramente nos capítulos precedentes e deveis também recordar-vos de que, neste caso, não é necessário ou mesmo judicioso servir-vos de experiências para determinar a rigidez dos braços.
A atitude da profissão médica. -Eu desejaria que cada médico compreendesse bem, aqui, a simplicidade da sugestão hipnótica, mas receio que, em virtude da sua educação puramente material, seja levado a desdenhar de um meio de tratamento tão simples e escoimado de todo
mistério. O conflito humano na lei divina da cura tem sempre exigido, infelizmente, que julguemos do valor de um médico pela dificuldade de
tomarmo-lo e pela sua natureza desagradável. Avaliamos uma operação cirúrgica na proporção do seu perigo. Estimamos o valor de uma droga pelo seu efeito destruidor sobre os tecidos e pelas propriedades venenosas, quando se administra em alta dose.

As forças mais simples são as mais poderosas. -Não compreendemos ainda como os meios mais simples são também os mais poderosos e que a força de sugestão é o fator mais poderoso da felicidade humana, da saúde, da miséria e da moléstia. O espírito tem sempre governado e governará sempre. Por isso, devemos consagrar o nosso estudo à lei da cura que atingir o espírito de modo mais direto.

18 comentários

  1. Jeferson martins

    Quando começei fazer teologia começamos aprender algumas coisa sobre a hipnose e hoje tenho bastante aprender sobre isso acho profundamente muito bom e sei que a niveis muito importantes para todos que tem bom coração e uma mente aberta para ajudar. parabéns pelo curso.
    continue sempre ajudando o caminho é esse mesmo.

  2. Rafael Reiter

    Olá
    gostaria de saber sobre as referencias bibliográficas,
    para me aprofundar mais sobre o assunto

  3. Guilherme

    Parece bom…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *