A Psicologia da Mentira

  • Curto circuito: Com essa técnica você cria uma confusão mental na pessoa, enquanto implanta sugestões diretamente no inconsciente. Ela ficará confusa com a frase de abertura (estão em sublinhado nos exemplos abaixo) e entrará num leve transe enquanto você lança uma frase com comandos implícitos (estão em negrito) que serão completamente absorvidos pelo seu inconsciente. Exemplo de uso:

Fulano (a), você pode muito bem acreditar nas coisas que pensava que sabia, e, se você quer… dizer a verdade… ou… não quer dizer a verdade…a decisão é sua. Portanto, me… diga a verdade…, agora!” Essa sentença é registrada pelo inconsciente em sua totalidade. Os comandos, “dizer a verdade”, “diga a verdade” (Muito importante: o inconsciente não registra uma negativa – o ‘não’) e “agora” são enviados diretamente para o inconsciente, sem a pessoa – a parte consciente – se dar conta e mostrar resistência.

Outro exemplo:

Fulano (a). Eu não quero que você diga nada, a menos que, realmente, queira. E entendo que você já esqueceu o que havia pensado em querer, não é? Se estiver pensando consigo mesmo algo como… eu quero dizer à você, então simplesmente… diga … Quando perceber que… esta é a decisão certa…você… irá me dizer a verdade… agora!
Importante:

  • Antes e depois do comando – que está em negrito – você deve dar uma pausa (…)
  • Ao dar o comando, aumente um pouco a voz e utilize uma tonalidade descendente.
  • Gesticule com as mãos ao dizer o comando.

Você também pode usar a técnica do curto circuito, com o intuito de apenas interromper a linha de raciocínio de uma pessoa. Utilize as frases abaixo quando quiser tomar o controle de uma conversa, ou temporariamente confundir a pessoa, enquanto você reúne seus próprios pensamentos. Abaixo você tem algumas frases que desenvolvi. Não esqueça de gesticular enquanto fala. Use com moderação. Se usar várias delas seguidas, poderá provocar uma forte confusão mental na pessoa.

  • Porque você ainda acredita em algo que duvidava?
  • Você, realmente, ainda acredita nas coisas que pensava que sabia?
  • Você duvidaria menos se acreditasse mais nas coisas que imaginava que sabia?
  • Você não lembra do que havia esquecido?
  • Se acreditasse mais nas coisas que falou, duvidaria menos das coisas que escutou?
  • Você acredita nas coisas que já sabia?
  • Como pode acreditar nas coisas que pensa que sabia?
  • Essa pergunta significa que você ainda duvida das coisas que imaginava serem verdadeiras, não é?
  • Você acredita mesmo, que já sabia disso?
  • Porque me perguntou algo que já sabia?
  • Se você já acreditava nisso, porque pensou que têm dúvidas?
  • Se você não esperava que eu acreditasse numa coisa dessas, porque me contou?
  • Você está concordando com uma coisa que já sabia, não é?
  • Como pode concordar de algo que acreditava ser mentira, antes mesmo de aceitar a verdade?
  • Quanto mais você acredita nas coisas que duvidava, mais concorda com a possibilidade de que tudo não passou de uma grande mentira?

73 comentários

  1. Edna Soares Dos Santos

    Gostaria de fazer o curso psicologia da mentira.
    Ainda não fiz.

  2. bruna

    Meu amigo fez e amou, agora é minha vez de saber quem está mentindo!

  3. Ataisa

    Gostaria de saber quando as pessoas estão me enganando, e acredito que este curso seja ideal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *